MENU @

mensagem

Banner 3

banner

Seguidores

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Historia e paradigmas rivais: Ciro Flamarion Cardoso


Em história e paradigmas rivais, Cardoso nos leva para dentro da problemática que desencadeou a crise das ciências sociais e a mudança paradigmática no interior da mesma, ele nos mostra os efeitos que essa mudança causou no campo da História-Disciplina e o desvendar de um paradigma Pós-moderno. O autor parte da premissa que no linear do século XXI, houve uma crise de civilização, que é fruto do período de transição em que se encontra a sociedade contemporânea, colocando em dúvidas os pilares de sustentação da modernidade, e agora passa a se mover num terreno movediço da Pós-modernidade.
A crise nas ciências sociais foi desencadeada e em particular na disciplina de história é a discussão sobre o conceito de civilização e cultura. Após a segunda guerra mundial as certezas e as expectativas de progresso que se tinha ruíram esse ideal de humanidade deu lugar as incertezas e o ceticismo, já não mais caminhamos para uma sociedade justa, pois a guerra jogou fora toda idéia de civilização que tínhamos, gerando a crise das ciências sócias que já não dava mais conta de explicar os horrores da guerra, decretando a ruína do paradigma iluminista. Para melhor explicar a afirmação das duas vertentes que gerou tamanho efeito dentro das ciências sociais o autor estabelece considerações para analisarmos essa questão, as duas linhas, á Francesa e a Alemã. Na vertente Francesa, o conceito de Civilização é visto como algo progressivo, positivo, as civilizações seriam as altas culturas, estaria no topo do desenvolvimento social, e esse processo era considerado positivo. Para a vertente Alemã valoriza a cultura em detrimento da civilização, postula que cultura designa os costumes específicos de sociedades, principalmente de grupos pequenos de transformações mais lentas que a civilização urbana. Não dar para fugir dessa oposição das perspectivas Francesa e Alemã se, queremos entender a crise paradigmática e a escola de Frankfurt. Começa a se desencadear o novo paradigma que o autor êxita em chamar de Pós-moderno.
A história enquanto disciplina é bastante afetada por essa concepção de cultura e civilização, o que leva para uma nova forma de abordagem e uma nova concepção do objeto dentro da ciência histórica, culminando na diversidade dos objetos e a alteridade cultural, entre as sociedades e dentro de cada uma delas. Com essa nossa abordagem paradigmática vem a se chocar com de frente com paradigma moderno ou iluminista, uma história cientifica e racional, Cardoso a chama de analítica, estrutural. Os marxistas e a escola dos Annales são seus maiores expoentes desse enfoque teórico no campo da história. Como mencionei acima após a segunda guerra mundial, final dos anos sessenta, há esse desencantamento não apenas dos intelectuais mas também de toda sociedade, com os modelos explicativos que já não davam conta de explicar o que se ocorriam, o paradigma moderno sofreu duras criticas e isso se ver na história do século XX, as armas químicas e atômicas, Nazismo e as guerras mundiais, os avanços tecnológicos, isso criou um ambiente propicio para o questionamento do comprometimento social da ciência moderna. Essas criticas balançaram o paradigma moderno.
ELSON CASSIANO
HISTORIADOR

7 comentários:

Anônimo disse...

Obrigada, deu pra mim ter uma visão mais clara desse texto do Ciro Flamarion Cardoso.

Anônimo disse...

Obrigada, sua postagem me ajudou no desenvolvimento do meu trabalho acadêmico. O conteudo do seu blog é ótimo, parabéns !

Anônimo disse...

Olá Elson
gostei do resumo, eu havia lido o livro,mas entendi melhor depois que li seu resumo, vou fazer uma redação sobre historia social para tntar o mestrado em história, vc tem mais material sobre le goff, HOBSBAWN,VEYNE,DOSSE,GINZBURG,?
Abraços
Rose - Moc MG

Anônimo disse...

parabéns...depois de ter lido ficou mas claro sobre o texto
obrigado.

Fezio Saboia disse...

obrigado pela explicação. Muito boa. Iluminou as lamparinas do meu juízo. :)

Fezio Saboia disse...

obrigado pela explicação. Muito boa. Iluminou as lamparinas do meu juízo. :)

Fezio Saboia disse...

obrigado pela explicação. Muito boa. Iluminou as lamparinas do meu juízo. :)